Besteiras em geral ;)

Especial: A fraude do século - 2/3

Especial: A fraude do século - 2/3

Por quê teria ocorrido a fraude?

Os Estados Unidos teriam tramado esta farsa porque a União Soviética estava à frente dos Estados Unidos na corrida espacial, tendo enviado, em 12 de Abril de 1961, Yuri Gagarin à órbita terrestre a bordo da nave Vostok I. A foto da Terra vista do espaço e a frase "A Terra é azul" deram grande impulsão à União Soviética. Os Estados Unidos, no auge da Guerra Fria, vendo que estavam ficando para trás, teriam resolvido dar um golpe para atrair toda a atenção do mundo para eles. Principalmente porque, um ano antes da suposta ida do homem à Lua, Stanley Kubrick lançou o filme 2001 – Uma Odisséia no Espaço, com efeitos especiais nunca vistos antes na história do cinema, que renderam um Oscar ao brilhante Kubrick! E esses efeitos especiais poderiam muito bem ser utilizados pelos Estados Unidos para forjar uma viagem do homem à Lua.

Existe uma suposta foto de Stanley Kubrick, na NASA, meio escondido, agachado atrás do astronauta Neil Armstrong, antes da suposta viagem do homem à Lua. Na mesma foto, há um telão com fundo escuro muito semelhante aos fundos usados em Chroma Key, que é uma técnica cinematográfica que permite substituir um fundo com uma cor padrão por outra imagem qualquer. Esta foto teria sido tirada dentro da própria NASA. Mas, para quê a NASA usaria um telão com um fundo especial como esse?


Homem parecido com o diretor do filme “2001, Uma Odisséia no Espaço” agachado atrás de um astronauta na NASA.
Existência de um telão com fundo escuro próximo ao astronauta que poderia ter sido usado em Chroma Key.
À direita, fotos do diretor Stanley Kubrick para comparação.

Depois de publicar o site A Fraude do Século com a foto acima, recebi esta outra, abaixo, de um visitante do site, que tentou provar que a pessoa que estava agachada atrás do astronauta não era o Stanley Kubrick. Realmente, vendo por este outro ângulo, esta pessoa não se parece tanto com o Kubrick. Agora, com tantas montagens nas fotografias, há quem desconfie que esta última foto trata-se de uma foto-montagem que a própria NASA poderia ter criado, após o vazamento da primeira foto, modificando o rosto de Kubrick para tentar encobrir sua presença dentro de suas dependências.


Nova fotografia tentando provar que o homem que estava agachado na NASA não era o Stanley Kubrick.

O que toda essa mentira traria de resultados positivos aos Estados Unidos? Veja bem: após a concretização da farsa, os grandes investidores internacionais iriam querer investir o seu dinheiro no país mais evoluído tecnologicamente do mundo. E foi exatamente isso que aconteceu. Após o feito que perdura até hoje como verdade para a maioria da população mundial, os Estados Unidos viraram a mega potência que é nos dias atuais. Viraram os donos do mundo, se dando ao luxo de poderem atacar países do outro lado do planeta "por precaução", para se prevenirem de um ataque com armas químicas que só existem nos relatórios forjados pelos Estados Unidos (George W. Bush) e Inglaterra (Tony Blair). Mas, isso já é outra história, como também um monte de outras histórias falsas que foram inventadas pelos Estados Unidos para satisfazerem aos seus interesses. Tais histórias receberão a minha atenção em outra oportunidade.

A NASA está recebendo tantas críticas e indagações referentes à ida do homem à Lua que resolveu contratar, no final do ano de 2002, James Oberg, um renomado escritor aeroespacial, para tentar justificar à população mundial de que tudo teria sido realmente verdade. A BBC News publicou uma matéria a respeito, que pode ser lida no endereço http://news.bbc.co.uk/1/hi/sci/tech/2410431.stm. Até outubro de 2003, posso garantir que Oberg não lançou livro algum com este propósito. Você mesmo pode procurar isso no endereço http://www.jamesoberg.com/books.html. Dizem que ele desistiu da empreitada.

O escândalo da fraude da viagem do homem à Lua veio à tona em 2001, quando a Fox Television fez um programa mostrando diversos indícios de fraude. O programa foi ao ar com o nome "FOX Special - Conspiracy Theory: DID WE LAND ON THE MOON?" (Especial FOX - Teoria da Conspiração: NÓS POUSAMOS NA LUA?). E foi a partir disso que comecei a pesquisar a respeito e a analisar mais de 2.500 fotos da NASA, uma por uma, detalhe por detalhe; e acabei encontrando mais indícios da fraude além dos citados pela Fox Television.

Além de pesquisar por informações que contestavam a ida do homem à Lua, também pesquisei sobre o que a NASA dizia a respeito das contestações. Tem respostas da NASA que, mesmo sendo um pouco absurdas, poderiam ser aceitáveis. Mas, muitas delas não dá para engolir!

Vamos ver agora, outros indícios da falcatrua:

Segundo a NASA, as câmeras utilizadas para tirar as fotografias foram de modelo Hasselblad 500EL munidas de filme Kodak especial (vide www.hq.nasa.gov/alsj/a11/a11-hass.html) e de um revestimento de prata que foi colocado nas câmeras para deixá-las mais resistentes às variações térmicas, mas creio eu que não o suficiente para suportar as extremas variações de temperatura da Lua. A temperatura na Lua varia tanto, que seria impossível trazer de lá uma única fotografia para ser exibida na Terra. Só para se ter idéia, a temperatura na Lua varia de -153ºC à noite a +107ºC durante o dia, conforme dados obtidos na NASA no endereço http://solarsystem.nasa.gov/features/planets/moon/moon.html. Como é que hoje, quatro décadas após este grande sucesso estadunidense, ainda não existe um único filme de máquina fotográfica capaz de suportar sequer a pequenas variações de temperatura? Ou será que eles já possuíam câmeras fotográficas digitais que gravam as fotos em chips? Será que a IBM, que patrocinou o filme de Stanley Kubrick, também patrocinou a suposta ida do homem à Lua criando máquinas fotográficas digitais e mantendo esta tecnologia sob sigilo por décadas? Por falar nisso, você sabia que o nome do computador HAL do filme 2001 – Uma Odisséia no Espaço é uma alusão ao nome IBM? Note que cada letra posterior às letras que compõe o nome HAL forma o nome da fabricante IBM.

Mas, segundo a própria NASA e conforme pode ser comprovado acessando os links acima, não foram utilizadas câmeras fotográficas digitais para tirar as fotos da suposta ida do homem à Lua. Foram utilizadas câmeras fotográficas convencionais com filmes Kodak.

Como eu nunca ouvi falar de um filme especial que resista a variações de temperatura, e como a NASA afirmou que o filme utilizado para bater as fotos é da marca Kodak, resolvi tirar isso a limpo de uma forma bem simples: entrei em contato com o suporte da Kodak do Brasil, pela Internet e abri um questionamento com os seguintes dizeres:

Prezados(as) Senhores(as),
eu gostaria de saber qual é a temperatura máxima e mínima que um filme normal com as fotos já batidas e ainda não revelado pode ser exposto. Gostaria de saber também se existe atualmente algum filme especial que resista a grandes variações de temperatura. Caso exista, gostaria que me informassem qual é o máximo e mínimo de temperatura suportável pelo filme.
Muito obrigado pela atenção!
Cordialmente,
André Basílio.

A resposta que obtive foi esta abaixo:

Sr. André,
Agradecemos o contato mantido conosco e o interesse demonstrado pelos produtos e serviços Kodak. Informamos que um filme já exposto e ainda não processado não deve ser submetido a altas e/ou baixas temperaturas. O ideal é mantê-lo em local fresco e arejado com temperatura ambiente. Não dispomos de filmes especiais que suportem variações de temperatura.
Atenciosamente,
Centro de Informações ao Consumidor
Kodak Brasileira Com. Ind. Ltda
0800 15 0000
www.kodak.com.br

Conflitantes as informações, não é mesmo? A NASA afirma com todas as letras que utilizou, durante a Missão Apollo 11, um filme especial da Kodak para bater as fotos. Mas, a própria Kodak afirma também com todas as letras que tal filme não existe!

O código do atendimento que me retornou a resposta acima é KMM5745727C0KM. Quem quiser fazer como eu, basta entrar em contato com a Kodak através do link ou telefone acima. Assim, cada um pode fazer seus questionamentos e conferir a informação.

Verifique, nas fotos abaixo, como as máquinas fotográficas estavam expostas às enormes variações de temperatura:

               
Astronautas utilizando as câmeras Hasselblad 500EL "na Lua" onde a extrema variação de temperatura
prejudicaria os negativos não permitindo que fotos tão nítidas chegassem à Terra.

Mais um detalhe que não podemos deixar passar despercebido: compare a primeira foto desta série acima com a do astronauta na NASA, na frente do suposto Stanley Kubrick. Note a extrema similaridade da posição do astronauta em ambas as fotos, segurando a câmera.

Outro fato contestado por inúmeros pesquisadores é a falta de estrelas no fundo das fotografias. Já que não há atmosfera na Lua e a atmosfera atrapalha, de certa forma, a nossa visão, as estrelas deveriam ficar bem mais reluzentes vistas da Lua, devendo ser muito nítidas nas fotografias. A desculpa que a NASA dá para este fato é que, na Lua, a luz do Sol é tão intensa que ofusca o brilho das estrelas. Acredite, Se Quiser!

Assista aos vídeos que foram transmitidos para todo o planeta, da suposta conquista da Lua. Perceba que os astronautas transmitiam, em tempo real, vídeo e som para a base nos Estados Unidos. A conversa entre a base e os astronautas ocorria em tempo real naquela época! Como era possível isso há quatro décadas atrás sendo que, hoje, para uma rede de televisão transmitir uma imagem para o outro lado do planeta são gastos 2 segundos para a imagem chegar lá utilizando a mais alta tecnologia existente atualmente!?

 

Onde estão as filmagens originais do pouso na Lua?

Ainda em relação aos vídeos transmitidos, você já reparou como eles têm péssima qualidade de imagem? Segundo a NASA, a transferência dos vídeos em baixa qualidade foi proposital para que eles pudessem ser exibidos ao vivo aqui na Terra. Além da qualidade da transmissão das imagens ser baixa, durante o envio perdeu-se ainda mais qualidade. De acordo com a NASA, as imagens teriam chegaram à Terra sendo exibidas num monitor preto-e-branco que estava sendo filmado por uma outra câmera para, a partir desta última filmagem, onde se perdia mais qualidade pela terceira vez, transmitir os vídeos para as principais redes de televisão mundiais. Então, teriam sido estes os fortes motivos que fizeram com que as imagens perdessem tanta qualidade em cada um desses processos.

 

Porém, pairou uma dúvida no ar. E a câmera que estaria na Lua gravando todas as imagens em alta qualidade em fitas de vídeo? Ao voltar da Lua, os astronautas teriam trazido de volta gravações bem diferentes daquelas apresentadas a toda a população mundial. Porém, porque essas filmagens em alta resolução nunca foram mostradas até hoje?

 

A NASA afirmava estar preparando a exibição dessas imagens no aniversário dos 40 anos da ida do homem à Lua. Seriam imagens inéditas, com uma alta qualidade de vídeo! Porém, em agosto de 2006, a NASA vem a público informando que tinha perdido as fitas que continham as gravações originais da Missão Apollo 11.

 

Segundo a NASA, as fitas teriam sido enviadas ao Arquivo Nacional dos Estados Unidos antes de serem devolvidas à própria NASA, que teria as guardado no seu Centro Espacial Goddard, em Maryland. Mas, devido ao fato dos funcionários que trabalhavam nos arquivos da NASA terem mudado de emprego, se aposentado e até morrido, ninguém mais sabia onde essas fitas tinham ido parar.

 

Tudo isso foi amplamente divulgado pela mídia como nesta matéria publicada pela BBC Brasil: www.bbc.co.uk/portuguese/ciencia/story/2006/08/060815_filmeluaaw.shtml que você poderá acessar para confirmar o que estou dizendo.

 

Teriam nesses vídeos de melhor resolução provas irrefutáveis de que tudo não tinha sido filmado na Lua? Haveria evidências o suficiente nas fitas que pudessem provar que as primeiras filmagens teriam sido feitas dentro de um estúdio e que, por isso a NASA teria arrumado uma desculpa para não transmitir esses vídeos para a população mundial?

 

Bem... após isso, quase três anos depois, exatamente em 16 de julho de 2009, quatro dias antes do aniversário de 40 anos da possível ida do homem à Lua, a NASA vem novamente a público informar que as gravações originais do primeiro pouso na Lua foram perdidas para sempre. Para fazerem economia financeira, utilizaram as fitas onde havia as gravações originais para gravarem, por cima dos fatos históricos, novas imagens e dados de satélites.

 

Será que foi isso mesmo que você leu? Você leu direito? Sim! Você não está enlouquecendo. A NASA, que afirma que gastou quase 200 bilhões de dólares (em valores corrigidos) no projeto Apollo até o pouso do primeiro homem na Lua, vem a público dizer que apagou intencionalmente os vídeos mais importantes de sua história pra fazer economia em fitas de vídeo! Isso é mais que ridículo! Na minha concepção, é uma insanidade!

 

Num certo momento, a NASA diz, em entrevista coletiva, que as fitas foram apagadas “sem querer” (será como o Chaves? “Sem querer querendo”?). Mas, em outro momento, entra em contradição afirmando que as fitas foram apagadas e reutilizadas para “economizar dinheiro”. Veja uma matéria a respeito, publicada pela Folha Online, no endereço http://www1.folha.uol.com.br/folha/ciencia/ult306u596323.shtml.

 

Por quê, por 40 anos, a NASA nunca se interessou em divulgar em melhor qualidade os vídeos de péssima qualidade que tinham sido transmitidos e que tinham levantado suspeitas de tantas pessoas que, desde a época do feito, nunca acreditaram que o homem teria ido à Lua exatamente pela baixa qualidade das imagens mostradas na televisão?

 

A NASA, que se mostra tão meticulosa em tudo o que faz, não teria feito nem mesmo uma única cópia da sua fita original mais importante da história?

 

Na mesma matéria citada acima, da Folha Online, Richard Nafzger, engenheiro da NASA, afirma que o governo tinha pouco interesse sobre as fitas na época porque o objetivo maior do governo dos Estados Unidos era para efeito de propaganda em transmissão ao vivo. Que tipo de propaganda seria essa? Seria a propaganda de divulgar os Estados Unidos como a nação mais evoluída tecnologicamente do mundo para atrair grandes investimentos para o país e transformá-lo numa mega potência?

 

Em seguida, para compensar a perda dos vídeos originais, a NASA contratou uma empresa de Hollywood chamada Lowry para restaurar os vídeos de péssima qualidade para tentar transformá-los em vídeos de melhor qualidade e exibi-los ainda durante a festa dos 40 anos do homem na Lua. NASA e Hollywood... Seria uma história se repetindo?

 

A Promessa de George W. Bush

Em janeiro de 2004, o então presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, declarou, na Agência Espacial Americana, que a NASA levará o homem novamente à Lua até 2015 e a Marte até o ano de 2020. Para isso, o governo estadunidense estaria liberando alguns bilhões de dólares em verbas para a NASA.

 

A intenção de Bush era enviar o homem novamente à Lua até 2015 e criar uma base lunar para lançar uma nave tripulada a Marte até 2020.

 

Esta promessa de Bush foi amplamente divulgada na mídia. Acessando o seguinte link, por exemplo, podemos ler uma matéria a respeito publicada, na época, pelo Portal Terra: www.ar.terra.com/tecnologia/interna/0,,OI253771-EI304,00.html.

 

A primeira pergunta que nos vem à mente lendo uma notícia desse tipo é: “Pra quê mandar o homem à Lua para, somente a partir de lá, lançá-lo novamente para ir em direção a Marte? Mesmo que levemos em consideração que a gravidade na Lua é um sexto da gravidade da Terra é que lá não há atmosfera, o que facilitaria bastante o lançamento de uma espaçonave, no meu entendimento, todo esse processo consumiria mais combustível do que o de uma nave que fosse lançada da Terra diretamente ao planeta vermelho.

 

Mas, também é muito fácil e cômodo para um presidente prometer algo que não será ele mesmo quem terá que cumprir no futuro. E, pelo que estamos vendo, ele não terá a mesma sorte que teve o presidente John Kennedy que, em 1962, fez a promessa que os Estados Unidos mandariam uma missão tripulada com segurança à Lua antes do final da década, sendo tal promessa “cumprida” por Richard Nixon. De acordo com notícia veiculada pela Folha Online, a NASA já prorrogou o prazo da ida do homem à Lua para 2020 (vide http://www1.folha.uol.com.br/folha/ciencia/ult306u353651.shtml) e já está afirmando, novamente, que tal prazo precisará ser prorrogado mais uma vez como consta nesta matéria veiculada pelo Portal Terra: http://noticias.terra.com.br/ciencia/interna/0,,OI3874380-EI238,00.html.

 

É incrível como, entre 1969 e 1972, a NASA programava uma nova missão à Lua de seis em seis meses. Mas, 35 anos depois, são necessários 10 anos para mandar uma nova missão tripulada à Lua, prazo este que já está passando para, pelo menos 15 anos. Antes, demorava seis meses para mandar o homem à Lua e, agora, com toda a tecnologia disponível, vai demorar 15 anos? 30 vezes mais tempo? Será que a tecnologia aeroespacial regrediu da década de 1960 pra cá? Ou será que a tecnologia tenha aumentado tanto que, para utilizar toda a tecnologia existente atualmente, demora-se mais tempo para programar uma viagem desse porte?

E a viagem a Marte que foi prometida para 2020? Bem... se a viagem à Lua, que era para ocorrer até 2015 já foi adiada pra 2020 e nem se sabe se a NASA conseguirá mesmo cumprir o cronograma, a viagem a Marte não ocorreria antes de 2030. E, de acordo com o portal de notícias G1 da Globo (vide http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0,,MUL209034-5603,00.html), a Rússia está programando para 2020 sua primeira viagem tripulada ao planeta vermelho. De acordo com notícia veiculada no Portal UOL (vide http://cienciahoje.uol.com.br/95718), a agência espacial européia pretende lançar uma missão tripulada a Marte até 2030. E até a China já está entrando nessa corrida (vide http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0,,MUL43878-5603,00.html). A Índia também está no páreo para realizar viagens tripuladas à Lua e a Marte segundo a seguinte publicação: http://movv.org/2009/02/08/a-india-vai-colocar-um-astronauta-na-lua-em-2020-e-planeia-ja-uma-missao-a-marte. Então, pelo jeito, os Estados Unidos precisarão correr se não quiserem ficar pra trás!

 

Fotos tiradas com iluminação artificial?

Mais um indício de fraude observado por José Luís Cardoso, visitante do site A Fraude do Século, é em relação a várias fotos existentes no site da NASA. Em várias fotos, o local onde se encontram os astronautas aparece bem iluminado, mas os locais ao fundo aparecem muito escuros. Tendo em vista que não foi utilizada iluminação artificial na Lua para bater as fotos e que a única fonte de luz na Lua seria o Sol, toda a Lua deveria estar iluminada na mesma intensidade e não apenas no ponto onde se encontram os astronautas.


Foto com indício de ter sido utilizada iluminação artificial próxima ao astronauta.

Essa desproporção da iluminação na Lua pode ser vista na foto acima como também em diversas outras fotos já mostradas aqui.

 

O que realmente teria acontecido?

Se levarmos em consideração que teria sido tudo uma farsa, vamos imaginar como poderiam ter acontecido os fatos: Agentes do governo dos Estados Unidos poderiam ter levado os astronautas e alguns auxiliares a um treinamento secreto no Deserto de Nevada, Estados Unidos, que, em vários locais, tem uma enorme similaridade com a aparência das fotos que teriam sido tiradas na Lua. Assim, teriam montado todo o cenário, tirado as fotos e feito as filmagens do local. Ao final do treinamento, após os astronautas voltarem para a NASA pilotando um helicóptero, os auxiliares técnicos teriam guardado todos os equipamentos num caminhão baú para voltarem pra casa. Não seria difícil para uma pessoa com má intenção e que costuma andar armada dar sumiço nos auxiliares técnicos num lugar inóspito como o Deserto de Nevada. Caso isso acontecesse, tais corpos provavelmente nunca seriam encontrados. Após o serviço sujo, os próprios agentes teriam levado o caminhão com os equipamentos de volta à NASA. Todos os envolvidos teriam sido mortos sem que os astronautas soubessem. Todo o material teria sido levado a estúdios, onde teriam sido realizados efeitos especiais nos filmes e fotos. Fora os diretamente envolvidos, apenas mais uma pessoa estaria sabendo da trama, sendo este o principal mentor da falcatrua: o presidente Richard Nixon. Perceba que ele foi o único presidente dos Estados Unidos que vivenciou, em apenas três anos, todas as seis supostas viagens do homem à Lua, entre 1969 e 1972. Após a saída de Nixon do poder, nunca mais astronauta algum fora enviado à Lua.

       
Presidente Richard Nixon cumprimentando os astronautas da Missão Apollo 11 na van onde eles ficaram em quarentena.
(amplie a primeira foto e veja se os astronautas estão felizes ou apreensivos com o feito histórico)

Richard Nixon não teria se envolvido apenas no escândalo da farsa do homem na Lua. Ele foi também o mentor intelectual e principal articulador do Caso Watergate, que ocorreu em 1972, quando a sede do Partido Democrata sofreu uma espionagem com escuta ilegal. Nixon, que era do Partido Republicano, queria a CIA e o FBI juntos para grampearem telefones, invadirem casas, violarem correspondências, além de outras práticas inadmissíveis num país democrático. Porém, Richard Nixon não conseguiu o apoio do então diretor do FBI John Edgar Hoover, que morreu logo em seguida, em maio de 1972. Um mês e meio após a morte de Hoover, o plano de Nixon entrava em ação, em 17 de junho de 1972, sendo comprovado após investigação independente do jornal The Washington Post. Mesmo com a prisão e a sentença dada aos invasores, Nixon foi reeleito em novembro de 1972. No dia 17 de maio de 1973, Nixon sofreu um processo de impeachment, acusado por abuso de poder, entrave à justiça e falso testemunho; e acabou renunciando ao cargo no dia 8 de agosto de 1974 antes de ser deposto.

Para conhecer um pouco mais da vida de Richard Nixon, o homem que manchou a história dos Estados Unidos sendo o primeiro presidente que passou por um processo de impeachment, acesse o endereço www1.folha.uol.com.br/folha/almanaque/mundo_09ago1974.htm onde há uma matéria criada pelo jornal Folha de São Paulo. E para saber mais sobre o Caso Watergate, acesse o endereço www.canaldaimprensa.com.br/nostalgia/dquintedicao/nostalgia1.htm do site Canal da Imprensa.

Continuando o meu raciocínio sobre o que realmente aconteceu na época, com as fotos e filmes prontos, os Estados Unidos teriam feito aquele mega marketing mundial atraindo todos os holofotes para si, teriam combinado tudo com os astronautas, dizendo-lhes que eles seriam tratados como heróis por toda a humanidade e teriam tratamentos dignos de reis pro resto de suas vidas e que nunca pessoa alguma provaria que eles não estiveram na Lua. Com tudo pronto, lançaram o foguete Saturno V com os astronautas pro espaço. Mas, a nave, teria ficado apenas em órbita da Terra. A partir daí, a NASA teria começado a transmitir, "ao vivo", um filme que já estava pronto cheio de imagens com efeitos especiais mostrando a ida do homem à Lua, o pouso da nave, a caminhada lunar e a volta pra casa. Daí pra frente foi fácil. Os astronautas precisariam apenas ficar na órbita terrestre esperando o espetáculo terminar antes de receberem o sinal para retornarem para casa, adentrando novamente na atmosfera terrestre até caírem no Oceano Pacífico e serem resgatados.

               
Astronautas de volta à Terra no módulo da Missão Apollo 11 que caiu no oceano para serem resgatados.

 

Jogo dos 7 erros

A foto abaixo, tirada durante a Missão Apollo 12, tem tanta incoerência que até poderia ser chamada de Jogo dos 7 erros. Olhe atentamente para esta foto e tente encontrar os 7 erros antes de ler as respostas abaixo:


1 - A sombra da antena parabólica está para um lado, a do astronauta para outro e a da bandeira para outro!
2 - A bandeira deveria estar totalmente caída no mastro, devido à ausência de vento na Lua.
3 - Há diversas penumbras na foto, que não deveriam existir num ambiente sem atmosfera.
4 - Há pegadas por toda a parte, que não deveriam existir num ambiente sem umidade.
5 - Não há estrelas no céu, que deveriam estar mais nítidas na Lua.
6 - No chão, embaixo do Módulo Lunar, não há indícios dele ter pousado ali.
7 - Um astronauta nunca pousaria uma espaçonave bem ao lado de uma cratera!

Por incrível que pareça, depois que o site A Fraude do Século já estava no ar, ainda encontrei mais um erro na foto acima! Isso mesmo. Agora são 8 erros! Ampliando cada foto tirada pela NASA você pode verificar que, na lente interna das câmeras fotográficas utilizadas, há tênues cruzes utilizadas como marcadores para que as imagens a serem fotografadas fossem melhor focalizadas. Essas cruzes ficam na parte interna da câmera, entre o filme e o obturador. Na foto acima, poderia ter sido utilizada uma lente objetiva para distorcer um pouco a imagem, conforme pode ser comprovado ampliando a própria foto, mas tal lente objetiva estaria do lado de fora da câmera e nunca poderia distorcer as cruzes constantes na foto, feitas pela lente interna da câmera! Veja que as cruzes estão distorcidas! Portanto, só me resta concluir que esta foto foi manipulada em estúdio!


Cruzes distorcidas que podem ser vistas ampliando a foto.

Para que você mesmo possa visualizar a foto acima em tamanho original, bem como qualquer outra foto, siga os seguintes passos:

1 - Clique na imagem acima para abrir a foto completa diretamente do site da NASA.
2 - Clique com o botão da direita do mouse sobre a imagem e selecione a opção Copiar.
3 - Abra um editor gráfico qualquer, como o Paint, por exemplo.
4 - Acesse o menu Editar e a opção Colar.
5 - Utilize as barras de rolagem e analise cada detalhe da foto.

Sua opinião sobre o Tópico: Especial: A fraude do século - 2/3

Nenhum comentário foi encontrado.

Pesquisar no site

© 2009 Todos os direitos reservados. Lucas Albuquerque